sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

A Força da Igreja


“Unir-se é um bom começo, manter a união é um progresso e trabalhar em conjunto é a vitória”

Henry Ford

Quero falar sucintamente nesse texto sobre o que é uma igreja e qual é a sua força. É muito comum as pessoas usarem a palavra igreja para descrever um edifício e essa definição rouba o real significado da palavra. Se igreja não é um edifício construído de tijolos e cimento, o que é então?

O significado original desta palavra, que é bíblico, é totalmente voltado ao povo de Deus. Se dissermos que a igreja é um edifício, então esse é um edifício construído com pedras vivas. Pedras vivas? Existe isso?

Sim, analogicamente! Em 1 Pedro 2:5 diz: “Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”. Nós cristãos que somos essas pedras vivas somos chamados santos e membros da família de Deus: “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Efésios 2:19-22).

Fica claro a mim com apenas esses versos que uma igreja não é um edifício de tijolos, mas uma comunidade composta por cristãos, que forma um corpo social organizado, instituído por Jesus Cristo. E Jesus veio estabelecer uma igreja forte, por isso disse a Pedro: “Tú és pedra, e sobre esta pedra edificarei minha a igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). Jesus está falando aqui de pessoas, de pedras vivas construídas sobre Ele - a fundação sólida. Me importa a ideia que a palavra “pedra” me dá, uma ideia de força, consistência e durabilidade. Jesus veio estabelecer uma igreja, que somos todos nós! Uma igreja forte, firme, alicerçada, resistente e acima de tudo possuidora da eternidade.

E falando sobre os alicerces da Igreja Jesus disse: “24 Aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou sua casa sobre a rocha. 25 Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela, porém, não caiu, porque estava edificada na rocha. 26 Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática é semelhante a um homem insensato, que construiu sua casa na areia. 27 Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela caiu e grande foi a sua ruína” (Mateus 7:24-27).

Está é uma parábola que nos ensina onde devemos estar firmados. A igreja construída na santíssima palavra jamais arruinará, ela se manterá de pé e inabalável. E nós como conhecedores da palavra devemos saber que: o que nos constitui é a união. Não se tem uma igreja com uma só pessoa, todos nós fazemos parte de um mesmo corpo, a igreja é o corpo de Cristo e não a mão, antebraço, braço ou o pé, cocha, quadril separados e sozinhos. Só somos igreja se formos unidos a outros indivíduos (1 Coríntios 12:12). A não ser que sejamos o Mãozinha da família Addams. Tenham a certeza de que uma mão sem corpo morre, apodrece e desaparece! Ninguém prevalece se não estiver alicerçado na rocha, se não estiver ligado ao corpo.

Jesus disse: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mateus 18:20). A igreja nasceu para estar unida, como membros de um corpo que nascem ligados um no outro e com uma só cabeça, assim é a igreja com Cristo! (Colossense 1:18). Paulo falou da igreja, neste sentido quando escreveu: “...Cristo é o cabeça da Igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo” (Efésios 5:23). Jesus é o cabeça sobre todos aqueles que o servem.

Sendo o Senhor Deus Todo Poderoso, a essência de toda a sabedoria, ensinou-nos falando através do apóstolo Paulo a maneira como deve viver a Igreja, mostrando que ela deve viver unida, coesa e em sintonia, do mesmo modo como vive o corpo humano. Ora, se a Igreja é o Corpo de Cristo, deverá viver como um organismo que comporta os membros desse corpo na mais perfeita harmonia, cada um desenvolvendo o trabalho e função à que fora designado ou atribuído.

Paulo afirma que todos os membros do corpo têm uma utilidade: “E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos” (1Corintios 12:6), “... de modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada...” (Romanos12:6-8). É necessário que cada membro do corpo, ou seja, a igreja de Cristo, ou seja, nós, tenhamos a nítida consciência e maturidade para compreender a posição e função de cada membro desse corpo e que dependemos uns dos outros.

Eu vejo dois males que surgem entre os membros, um deles é o complexo de inferioridade. Em 1 Coríntios 12:15 e 16 diz: “15 Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; não será por isso do corpo? 16 E se a orelha disser: Porque não sou olho não sou do corpo; não será por isso do corpo? ”. Eu digo sem medo de errar, não importa quem você é no corpo, não importa a sua função, você é de igual modo importante no corpo. Eu afirmo o que eu digo usando 1 Coríntios 12:22 onde Paulo diz: “os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários”.

Um outro mal que surge entre os membros é o complexo de superioridade. Em 1 Coríntios 12:21 diz: "o olho não pode dizer a mão: Não necessito de ti...". Alguns na igreja se acham de maior valor e assim se portam de forma contrária a palavra que ensina: aquele que quiser ser o maior, precisa se tornar o menor (Mateus 20: 26 e 27; Marcos 10: 44). Eu reforço o que digo especialmente para aqueles que acham que a igreja do Senhor não sobreviverá sem suas funções.

Lamentavelmente algumas pessoas dentro da igreja são pretenciosas e arrogantes o suficiente de se acharem a coluna que mantem a igreja em pé, de se acharem a cabeça da igreja, como se sem elas a igreja não sobrevivesse. Saibam: a igreja é o corpo de Cristo, e mesmo que Deus institua na liderança homens dignos de respeito, ninguém além Dele será cabeça da igreja. Essa verdade está meridianamente clara em Efésios 5.23.  Nenhum homem, por mais culto, piedoso ou persuasivo poderia ser o cabeça da igreja, nem mesmo os líderes e pastores dignos e retos, muito menos os que se acham maior que todos! Somente Jesus tem essa honra. Uma igreja não se extinguirá por falta dessas pessoas. Esse corpo só morre se lhe fora decapitado a cabeça!

Comumente e infelizmente se vê indivíduos na igreja que não estão ligados à igreja.  Eles têm um pensamento, comportamento e coração opostos a igreja, não são corpo e Cristo não é o cabeça deles, por isso eles são tão opostos. E esse é o desejo do maligno! O desejo dele é ver a igreja desunida, separada, arruinada e decapitada, sem o cabeça que é o nosso Cristo Jesus!

Uma Igreja que prevalece é uma Igreja bem alicerçada na união, onde a palavra diz: “todos de um mesmo sentimento” (I Pedro 3: 8) e “de sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus” (Filipenses 2.5-11). Esta unidade é construída sobre o fundamento da verdade (Efésios 4.1-6).

Diante do que eu já disse, eu me atrevo ainda a dizer: que se dois ou três estiverem em contenda, desunião, discórdias, dissensões e facções, podem ter certeza que não é Jesus que está no meio deles, mas sim o maligno. E assim esse grupo de pessoas mesmo que esteja dentro de uma igreja, se torna um grupo diabólico e não se constitui igreja juntamente com os outros irmãos. E é fácil reconhecer isso, é fácil reconhecer a presença do maligno pelas obras dessas pessoas. A leitura de Gálatas 5 nos ajuda nessa identificação com a listagem das obras da carne.

É preciso insistência e amor quando surgir as diferenças entre nós, as diferenças de ideias e pensamentos. Todos nós devemos nos basear sabiamente na bíblia quando as discordâncias aparecerem, e nos sujeitarmos a palavra de nosso Deus e não ao nosso achismo e orgulho.

A igreja é forte! Mas o nosso adversário, o maligno, sabe que se formos divididos ficaremos enfraquecidos. Se ao invés de lutarmos contra o reino das trevas começarmos a lutar uns contra os outros certamente o resultado será de muitos mortos e feridos como em toda a guerra. Mas certamente não será um motivo de extinção da igreja, pois sempre há os que procedem como Deus deseja.

Vejam o que diz Tiago o meio irmão de Jesus sobre a desunião da igreja: “13 Quem é sábio e tem entendimento entre vocês? Que o demonstre por seu bom procedimento, mediante obras praticadas com a humildade que provém da sabedoria. 14 Contudo, se vocês abrigam no coração inveja amarga e ambição egoísta, não se gloriem disso nem neguem a verdade. 15 Esse tipo de "sabedoria" não vem dos céus, mas é terrena; não é espiritual, mas é DEMONÍACA” (Tiago 3:13-15). E ainda no verso 16 sobre a manifestação diabólica diz: “espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa”. Não há boas intenções nas facções, há perturbação e perversão. Isso não provém de Deus e sim do maligno.

Vejam o que o Apóstolo Pedro fala sobre a maneira do maligno agir: "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5:8).

Pedro compara o maligno ao leão por ele ser um felino caçador e ardiloso, ele não se lança contra os animais quando eles estão unidos, mas sim fica ao derredor esperando e observando para ver se encontra uma presa fácil e de situação vulnerável, ou seja, ele busca uma presa distante da manada. Uma presa distraída e separada do grupo é uma presa fácil. O maligno faz de tudo para separar os membros do corpo e o corpo da cabeça, porque estando separados uns dos outros estamos longe do corpo que é a igreja e da cabeça que é Cristo. (Colossenses 1.18, Efésios 1.22). Gente de Deuuuuus não sejamos uma presa fácil! 
           
O sábio Salomão nos dá um ensinamento sobre a união e seus benefícios: “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho” (Eclesiastes 4:9). Paga? Ganhamos em sermos unidos? O que ganhamos? Salomão continua nos versos seguintes e temos por resposta: “10 Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. 11 Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? 12 E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa” (Eclesiastes 4:10-12).

A recompensa de estarmos unidos é: SER IGREJA. Os versos à cima descrevem o que é ser igreja. Ser igreja é um pelo o outro e não um cabo de guerra. Muitas pessoas não são igreja e sim frequentam a igreja e outros piores ainda, são inimigos da igreja. Tem muita gente que é membro mirrado ou mão querendo ser pé. Há diferença entre ter uma igreja e ser igreja. Ter igreja é fazer parte de uma instituição, ser igreja é ser membro do corpo de Cristo. Ter igreja é só estar envolvido, ser igreja é estar comprometido. Ter igreja é querer as bênçãos, ser igreja é ser a benção!

Eu pergunto a vocês: vocês têm uma igreja ou vocês são a igreja?

Lembrem-se: vale a pena ser igreja! Porque toda as obras do Senhor são boas. Lembrem-se: que um corpo é um grupo de pessoas em unidade, como conjunto organizado. E é assim que todos juntos iremos em direção a gloria do Pai!

A força da igreja está na união – uns com os outros e com o Pai.

Por fim, nesse novo ano desejo aos que tem uma igreja, que deixem de ter para ser. Desejo que todos vocês sejam um só com seus irmãos e em Cristo Jesus. Desejo que todos entendam que a força da igreja está em sermos um só. Desejo que nós como corpo continuemos guiados e movidos pelo o único que é nossa cabeça. Desejo que sejamos fortes, firmes e resistentes como uma rocha e acima de tudo que sejamos possuidores da eternidade.


“Eu conheço só uma palavra para definir o sucesso de uma missão: UNIÃO"
Autor desconhecido

Graça, Paz e união a todos!

Pastora Adriana Reis